O comunismo explora a terrível filosofia de que o fim justifica os meios

Contexto da frase

Retirado do livro Strength to Love do capítulo "Como um cristão deve ver o comunismo?" de Martin Luther King Jr

Trecho do texto:

Ateísmo frio envolto nas vestimentas do materialismo, o comunismo não dá lugar a Deus ou a Cristo.

No centro da fé cristã está a afirmação de que existe um Deus no universo que é o fundamento e a essência de toda a realidade. Um Ser de infinito amor e poder ilimitado, Deus é o criador, sustentador e consolador de valores. Em oposição ao materialismo ateísta do comunismo, o cristianismo postula um idealismo teísta. A realidade não pode ser explicada pela matéria em movimento ou pelo impulso e atração de forças econômicas. O cristianismo afirma que no coração da realidade está um Coração, um Pai amoroso que trabalha através da história para a salvação de seus filhos. O homem não pode salvar a si mesmo, pois o homem não é a medida de todas as coisas e a humanidade não é Deus. Preso pelas correntes de seu próprio pecado e finitude, o homem precisa de um Salvador.

Segundo, o comunismo é baseado no relativismo ético e não aceita absolutos morais estáveis. O certo e o errado são relativos aos métodos mais convenientes para lidar com a guerra de classes. O comunismo explora a terrível filosofia de que o fim justifica os meios. Ela enuncia comoventemente a teoria de uma sociedade sem classes, mas ai! seus métodos para alcançar esse fim nobre são com demasiada frequência ignóbeis. Mentir, violência, assassinato e tortura são considerados meios justificáveis ​​para alcançar o fim milenar. Isto é uma acusação injusta? Ouça as palavras de Lênin, o verdadeiro estrategista da teoria comunista: "Devemos estar prontos para empregar trapaça, fraude, violação da lei, retenção e ocultação da verdade". A história moderna conheceu muitas noites tortuosas e dias cheios de horror porque seus seguidores levaram essa afirmação a sério.

Em contraste com o relativismo ético do comunismo, o cristianismo estabelece um sistema de valores morais absolutos e afirma que Deus colocou dentro da própria estrutura desse universo certos princípios morais que são fixos e imutáveis. A lei do amor como um imperativo é a norma para todas as ações do homem. Além disso, o cristianismo, na melhor das hipóteses, se recusa a viver de uma filosofia de fins justificando os meios. Meios destrutivos não podem trazer fins construtivos, porque os meios representam o ideal em fazer o fim em-progresso. Meios imorais não podem trazer fins morais, pois os fins são preexistentes nos meios. 

Terceiro, o comunismo atribui valor irrevogável ao estado. O homem é feito para o estado e não o estado para o homem. Pode-se objetar, dizendo que na teoria comunista o Estado é uma "realidade interina", que "murchará" quando a sociedade sem classes surgir. Verdade - em teoria; mas também é verdade que, enquanto durar, o estado é o fim. O homem é um meio para esse fim. O homem não tem direitos inalienáveis. Seus únicos direitos são derivados e conferidos pelo estado. Sob tal sistema, a fonte da liberdade seca. Restritas são as liberdades do homem na imprensa e na assembléia, sua liberdade de voto e sua liberdade de ouvir e ler. Arte, religião, educação, música e ciência estão sob o jugo do controle do governo. O homem deve ser um servo obediente ao estado onipotente. 

 

Fique por dentro das nossas publicações.

Curta nossa página no Facebook

 

Receba as últimas notícias da semana

Assine o informativo gratuito

captcha 

Artigos Relacionados